Projeto leva atividade física às pessoas com Síndrome de Down

As consequências de uma vida sedentária são cruéis para os seres humanos, principalmente para as pessoas com Síndrome de Down, por conta das especificidades de sua condição genética. As pessoas com essa síndrome têm uma evolução em ritmo um pouco mais lento que maioria das pessoas, devido a uma falta de mielinização das fibras nervosas, indicando uma falta de maturidade do sistema nervoso central. Em razão disso, elas têm mais chances de se tornarem obesos quando comparadas às que não a possuem.

Para reverter esta situação e buscar uma melhor qualidade de vida para as pessoas que possuem esta condição genética, o profissional de Educação Física Jorge Luiz Reis, de Barra Mansa, orienta aulas gratuitas para esse público. Atualmente, o projeto atende três alunos dentro da academia proquality de Barra Mansa, que oferece um desconto no valor da mensalidade para os alunos do projeto.

“Eu sou apaixonado por crianças especiais e, observando que nada era feito por eles, eu procurei tira um tempo para me dedicar a eles. Isso ainda é pouco porque meu sonho e montar um espaço onde eu possa atender vários”, contou o profissional. Além de benéficos para a saúde, os exercícios físicos ajudam no processo de socialização, a equilibrar as emoções e a prevenir doenças congênitas.

O projeto é executado há cinco anos e como resultado, o profissional destaca o emagrecimento, melhora da coordenação motora e condicionamento físico e a socialização de seus alunos. “O Lucas emagreceu muito; a Gisely melhorou a coordenação e a socialização com o próximo; e o Júlio, que tinha comprometimento na marcha, visão e déficit de oxigenação cerebrais, hoje é uma pessoa que até na esteira ele corre”, detalhou Jorge. Ele acrescenta que é muito feliz por poder contribuir na mudança de um paradigma relacionado ao Down, mas afirma saber que muito mais poderia ser feito com as ferramentas certas e incentivo do poder público.

*Fotos enviadas pelo profissional de Educação Física