2ª Edição da Olimpíada da Longevidade é promovida em Mesquita

A 2ª edição da Olimpíada da Longevidade reuniu mais de 600 idosos, divididos em quatro faixas etárias (55 a 59, 60 a 64, 65 a 69 e 70+), para uma manhã de atividade física na Vila Olímpica de Mesquita no último sábado, dia 10. Além da anfitriã, Nova Iguaçu, Magé, Paracambi e Anchieta também estiveram representados no evento que contou com sete modalidades, entre as quais: Corrida de revezamento, Peteca, chute ao gol, bola ao cesto, Dama e Dominó.

Uma das organizadoras da ação, a profissional de Educação Física Milena Varella, afirmou que a proposta da Olimpíada é conscientizar a terceira idade sobre a importância de praticar exercícios físicos e promover um momento de socialização entre os grupos e participantes. Ela contou que a Olimpíada é apenas a ponta do iceberg, pois os participantes do evento já estão há pelo menos dois meses treinando, o que fez com que estivessem mais presentes nos ambientes de prática esportiva ao longo da semana.

“Acho que o profissional de Educação Física tem que se conscientizar de que estamos envelhecendo antes de enriquecer, então nós temos um papel fundamental para essa faixa etária, pois nós os treinamos para que tenham autonomia e independência”, disse Milena. A profissional ainda fez uma relação entre a profissão e a saúde. “A gente previne e trata todos os tipos de doença. Nos próximos anos, nós vamos envelhecer cada vez mais e quem tiver preparado para isso vai estar na frente”.

>Saiba mais sobre projeto exercite-se, executado pela prof.Milena Varella em Mesquita

A primeira edição do evento foi realizada em 2018 com 300 inscritos em Nova Iguaçu, terra do profissional de Educação Física Rafael Reina, outro organizador da Olimpíada da Longevidade, e que receberá a próxima edição da competição prevista para 28 de setembro deste ano, no Sesc Nova Iguaçu.

“Para a 3ª etapa, a ideia é evoluir na organização e aumentar o quantitativo de municípios participantes e de competidores. Para isso, a parceria com o Sesc fará diferença pela estrutura e atividades paralelas que poderão ser oferecidas, como evento cultural, palestras, oficinas, entre outros”, explicou Reina.

Para o futuro, segundo Reina, a proposta é transformar a Olimpíada em um grande evento da Baixada Fluminense, beneficiando o turismo, o esporte e os negócios locais. “Queremos desenvolver ações públicas e não governamentais para que elas perdurem. A nossa expectativa é ter um evento da baixada realizado em mais de um dia, onde o idoso possa se hospedar nos nossos hotéis, consumir a nossa cultura, isso gera turismo, gera negócios”.

Além das competições, foram promovidas atividades culturais, como: dança de rua, música ao vivo e declamações de poesia, e também campanha de vacinação contra a febre amarela e aplicação do tríplice viral, contra caxumba, sarampo e rubéola.

No grupo que idealizou as Olimpíadas da Longevidade, junto com os profissionais Milena e Rafael, também fazem parte o prof. Tiago Morais e a prof. Jaqueline Saldanha, que estavam presentes no evento competindo com os seus grupos.