Dossiê mostra vantagens de praticar exercícios durante a gestação

Diretriz canadense mostra as vantagens de praticar exercícios durante a gravidez e traz recomendações para fazer tudo em segurança. O documento foi produzido por uma série de instituições que se debruçaram sobre as pesquisas na área e criaram a primeira diretriz a listar não apenas as vantagens da atividade física nessa fase, mas as orientações para as mulheres saírem do sedentarismo de maneira segura.

O dossiê vem coroar e atualizar descobertas de longa data, desde 1980, que os exercícios estão muito ligados à saúde e à disposição da gestante, atuando tanto no controle do peso como na prevenção de doenças.

>Leia a reportagem completa produzida pela revista Saúde É Vital
>Acesse a pesquisa completa, em inglês

As principais recomendações da nova diretriz internacional de exercícios para gestantes

  • Toda mulher sem contraindicação médica pode e deve ser fisicamente ativa durante a gravidez.
  • As gestantes precisam fazer 150 minutos por semana de exercícios físicos em intensidade moderada para obter benefícios. Esse tempo tem que ser dividido em pelo menos três dias da semana.
  • Se quiser se mexer diariamente, sem problemas. Um treino focado no assoalho pélvico pode ser feito regularmente.
  • Busque acompanhamento de um profissional para receber instruções específicas.
  • Em caso de tontura, náuseas e afins durante o exercício, se recomenda a mudança de posição ou a troca da atividade. O ideal é combinar exercícios aeróbicos (hidro, caminhada…) e resistidos (musculação). Ioga e alongamento leve também são bem-vindos.

Medidas para malhar em segurança

  • Comer e beber: a gestante deve prezar um cardápio equilibrado (nada de comer por dois) e se hidratar bastante. Tome água antes, durante e depois da ginástica.
  • Hora de interromper: se tiver falta de ar que não melhora com repouso, dor no peito, contrações regulares e dolorosas, tontura e sangramento ou corrimento vaginal, pare na hora.
  • Só na beira da praia: mergulho no mar está entre as atividades contraindicadas. O feto não está protegido contra problemas ocasionados pela alta pressão do fundo do oceano.
  • Nada de calor: evite praticar esportes em dias muito quentes. Além de desidratação, o aumento da temperatura corporal pode causar danos às células nervosas do feto.
  • Mantenha distância: melhor passar longe de exercícios que envolvam contato físico ou risco de queda, como lutas e escaladas. Não arrisque sua saúde e a do bebê.
  • Ritmo de atleta: se você treina e pretende ultrapassar os limites preconizados do exercício, busque primeiro o aval e a supervisão de especialistas.
  • Tão importante quanto não ficar parada é ter supervisão de um profissional de Educação Física. NO caso do Rio de Janeiro e Espírito Santo, é importante verificar se o mesmo possui registro no CREF1.

Casos em que vale uma boa conversa com o médico

  • Histórico: quem já sofreu aborto espontâneo ou parto prematuro precisa ser avaliada rigorosamente.
  • Hipertensão: exercícios auxiliam a controlar a pressão. Mas, sem orientação, podem causar o efeito oposto.
  • Doenças do coração: arritmias ou outras anormalidades cardíacas exigem cuidado dobrado.
  • Problema respiratório: treinos inapropriados podem provocar desconfortos e impactar no bebê.
  • Anemia: a queda nas hemoglobinas do sangue afeta a distribuição de oxigênio até para o feto.
  • Desnutrição: se não corrigida, a carência de nutrientes abala o ânimo, o humor e a saúde da mãe e do filho.
  • Gêmeos: após a 28ª semana de uma gravidez de gêmeos, exercícios podem se tornar arriscados.