PESQUISA ENCERRADA – impactos do Isolamento no treino de Musculação e Treinamento Resistido

Atualização em 15 de maio de 2020

A pesquisa foi encerrada por já conter todos os dados necessário. Em breve divulgaremos os resultados obtidos.

O isolamento social provocou várias mudanças importantes em nossas vidas, inclusive na prática de atividade física. Um grupo de pesquisadores de várias partes do mundo está buscando compreender melhor o fenômeno através de um formulário que busca compreender o efeito do COVID-19 no engajamento das pessoas na Musculação/ Treinamento Resistido e suas percepções sobre o treinamento atual em comparação com o período anterior à pandemia.

>Acesse o formulário e participe da pesquisa aqui (A pesquisa foi encerrada) 

A proposta é compreender, através de um formulário online, como as pessoas se adaptaram às circunstâncias e ao ambiente em mudança, bem como fornecerão insights sobre como apoiar e incentivar a participação contínua nas modalidades se encontrarmos eventos semelhantes no futuro.

O questionário é composto de triagem para identificar o publico praticante de musculação, identificação de perfil sociocultural e econômico, Experiência e Prática de Musculação/Treinamento Resistido, rotina de treinamento antes e durante as medidas de isolamento. Ao final você será questionado sobre a possibilidade de ser contatado para conclusão de uma pesquisa mais estruturada.

 

No Brasil, o estudo tem como um de seus representantes o profissional de Educação Física e professor e pesquisador na Universidade Federal de Goiás, Dr. Paulo Gentil. Ele conta que a investigação conta com um grupo de pesquisadores do Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, França, Itália, Suécia, Dinamarca, Alemanha, Eslováquia, Israel e Brasil, a maior parte membros do Strength and Conditioning Society, conhecida como a Sociedade Mundial de Condicionamento e Força.

Dr. Paulo conta que os resultados do estudo podem influenciar na promoção de políticas educativas e intervenções profissionais. “Ainda não há um resultado preliminar da pesquisa, mas a minha expectativa é que a maior parte das pessoas se sente desmotivada e não tem condições de adaptar sua rotina de exercícios à nova realidade, o que prejudica tanto a quantidade quanto a qualidade dos treinos”.