Atividades para idosos em tempo de pandemia

Durante o confinamento por conta do novo Coronavírus, a prática de atividades físicas é justamente uma das mais recomendadas por especialistas por seus benefícios para o sistema imunológico. Atualmente, o exercício físico é mundialmente reconhecido como meio de promoção da saúde e qualidade de vida, sendo celebrado como uma das principais estratégias de intervenção não farmacológica e de baixo custo, para a prevenção de doenças e enfermidades nesta faixa etária.

> Perda muscular causa doença do sono que pode levar à morte
>Pouco músculo em braços e pernas de idoso pode indicar risco de morte

Como forma de ajudar este grupo, profissionais de Educação Física se mobilizaram para produzir conteúdos de treinamento específicos para os idosos, que tem como foco central a mobilidade e o fortalecimento da musculatura, visando, pura e simplesmente, a saúde.

O programa Saúde na Praça, que há 9 anos promove atividades físicas gratuitas para centenas de idosos todos os dias nas praças do Rio de Janeiro, também está promovendo as suas aulas online. De acordo com Fernando Pedrenho, coordenador do projeto, o maior desafio para esse público é a barreira tecnológica somada ao fato de não poderem sair de casa. “Aqueles que já estão conseguindo se conectar estão adorando as aulas e também passou a ser um ponto de encontro com os professores das diversas Praças que temos o projeto” .

Nos vídeos, para além das atividades físicas que possam executar de forma facilitada em suas casas, o foco do projeto está no aspecto emocional. “Isto ganhou uma importância ainda maior neste momento, pois eles nos vendo se sentem mais próximos e tendo a esperança que estamos juntos, mesmo a distância”.

Mas a profissional de Educação Física Milena Varella, fisiologista, gerontóloga, especialista em grupos especiais e com um vasto currículo de trabalho com esse público, conta que a atividade física para os idosos precisam ser pensadas com muita cautela, principalmente quando utilizamos as redes sociais para difundi-las. “Os idosos ativos podem viver mais e com uma qualidade de vida melhor. A prática regular de exercícios físicos proporciona mobilidade, independência, autonomia e melhora o bem estar biopsicosocial, além de reduzir os custos com tratamento de doenças e prevenir de eventos indesejados como as quedas.

Quais cuidados temos que adotar para os treinos para os idosos?

  1. Não deixar de realizar o aquecimento e a volta à calma

  2. Esperar pelo menos 02h depois de cada refeição antes da prática

  3. Se possível monitorar variáveis (FC, PA, SpO2 e Glicemia) antes, durante e após o exercício.

  4. Manter a hidratação

  5. Em frente a um espelho, minimiza-se os erros

  6. Familiarização do espaço da prática para evitar possíveis acidentes

  7. Utilizar roupas e sapatos adequados

  8. Ao sinal de QUALQUER sintoma (tontura. Falta de ar, náuseas, dor), interromper o exercício imediatamente.

De acordo com a profissional, se compararmos o tempo apenas na posição sentado com a prática de exercícios regulares de intensidade moderada, conseguimos associar uma melhora na função imune tanto aguda (logo após) quanto crônica (ao longo do tempo) entre 18 e 67% a menos de chance de infecções, diminuição do estresse e ansiedade, principalmente os exercícios aeróbicos. “Alguns artigos indicam que a cada 30 minutos sentado, precisa-se de 3 minutos ativos para se manter a condição física”.

Neste período de quarentena, de acordo com o novo posicionamento da NSCA (2019) sobre Treinamento de Força para Idosos, a prescrição deve ser individualizada e periodizada, considerando as seguintes recomendações: 2 a 3 séries por exercício; 1 a 2 exercícios para os principais grandes grupamentos musculares (6-10 exercícios totais); 70-85% de 1 repetição máxima (1RM); 2 a 3 vezes por semana; e incluir exercícios de potência com velocidades mais altas e intensidade moderada (40 a 60% de 1RM). “Realizar os exercícios de forma alternada (membro superior e depois inferior), lembrando que os funcionais como Agachamento (sentar e levantar), Panturrilha (ponta dos pés), equilibro (andar sobre linha) entre outros não devem ser negligenciados”, acrescentou Milena.

O vice-presidente do Conselho Regional de Educação Física, prof. André Fernandes alerta para os cuidados necessários nesse período. “Aqui fica o nosso alerta para os oportunistas e falsos profissionais que estão aproveitando o momento atual da quarentena para fazer sucesso nessas redes”. Ao procurar um profissional de Educação Física certifique -se que o mesmo tem o registro profissional no CREF pois assim você terá a garantia de segurança e resultados no seu exercício.