CREF1 e COB estudam ações para a Educação Física e Esporte

Visita do presidente do CREF1, prof. Rogério Melo, ao Comitê Olímpico do Brasil (COB) estreita relacionamento com o órgão e reforça o compromisso do COB com o fortalecimento da Educação Física e do Esporte. O encontro aconteceu na última terça-feira (03), e contou com a presença do presidente do Comitê, Paulo Wanderley, do Diretor de Esporte, Jorge Bichara, do Conselheiro do CREF1, prof. Felipe Goulart, da Gestora de Relacionamento da Barra da Tijuca, Emanuela Meirelles, do professor e membro da comissão de gestão do CREF1, Patrick de Souza Gonçalves; e da advogada do COB, Alessandra Martins.

Na ocasião do encontro, foram apresentadas as dependências do Centro de Treinamento Time Brasil, marco importante para o esporte do país instalado no Parque Aquático Maria Lenk e conta, além das piscinas de natação e de saltos ornamentais, com a Sala de Esportes de Combate, Sala de Força e Condicionamento, Sala de Descanso, Sala de Avaliação, o Laboratório Olímpico, e o CT de Ginástica Artística, na Arena da Barra.

De acordo com Bichara, o espaço traz o conceito de integração. “Nós avaliamos o atleta de forma 360º, possibilitando a integração entre as áreas de estudo e treinamento”. Atualmente o COB está analisando a entrada da odontologia no CT. Somente este ano, até novembro, 400 atletas já utilizaram o espaço.

 

Prof. Rogério Melo ficou maravilhado com a estrutura do Centro de Treinamento Time Brasil e o fato de poder ser utilizado gratuitamente pelos atletas. “As pessoas que olham de fora podem não ter ideia de como espaço é vivo e do que ele proporciona atletas que o utilizam”. O reconhecimento dos equipamentos é tamanho que o CT é utilizado por equipes de outros países, como Portugal, Espanha e Inglaterra.

O presidente do COB, Paulo Wanderley, agradeceu a visita e se colocou à disposição para auxiliar às ações do Conselho para as ações do próximo ano. A autoridade acrescentou ainda que o Comitê está produzindo inúmeras ações que mostram que o órgão faz mais do que enviar os atletas para as competições no exterior. “Queremos que as pessoas saibam o que produzimos aqui”, concluiu.