Exercício Físico x Depressão

Grandes pesquisadores se dedicam e estudam a causa e efeito da prática regular dos exercícios físicos na depressão.

Achados científicos sugerem que o exercício físico contribui para o surgimento de novos neurônios, promovendo melhora na atenção, memória, velocidade de processamento, função executiva, emoção e tomada de decisão

Outra hipótese encontrada na literatura é a de um aumento na liberação de serotonina e dopamina.
A serotonina é um neurotransmissor que pode atenuar a formação de memórias relacionadas ao medo e diminuir as respostas a eventos ameaçadores.
Já a dopamina é o neurotransmissor responsável com o desempenho motor, a motivação locomotora e a modulação emocional

Além desses efeitos, o exercício propicia boa vivência social sendo uma excelente ferramenta de mudanças físicas que promove melhor qualidade de vida a nível geral.

Referências bibliograficas:
Frazer CJ, Christensen H, Griffiths KM. Effectiveness of treatments for depression in older people. Med J Aust. 2005;182(12):627

Kempermann G. Regulation of adult hippocampal neurogenesis – implications for novel theories of major depression. Bipolar Disord. 2002;4(1):17–33.

Russo–Neustadt A, Beard RC, Cotman CW. Exercise, antidepressant medications and enhanced brain derived neurotrophic factor expression. Neuropsychopharmacology. 1999;21(5):679–82.

Weicker H, Struder HK. Influence of exercise on serotonergic neuromodulation in the brain. Amino Acids. 2001;20(1):35–47.

Kiive E, Maaroos J, Shlik J, Toru I, Harro J. Growth hormone, cortisol and prolactin responses to physical exercise:higher prolactin response in depressed patients. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 2004;28(6):1007–13.

Joca SR, Padovan CM, Guimarães FS. Stress, depression and the hippocampus. Rev Bras Psiquiatr. 2003;25 Supl 2:46–51.

Sutoo D, Akiyama K. Regulation of brain function by exercise. Neurobiol Dis. 2003;13(1):1–14. ]

Colaboração: profissional de Educação Física Danielle Vieira.